Categorias
Notícias

O retorno de ”Stranger Things” trará revelações sobre o passado do xerife Hopper

A Netflix já havia confirmado que Hopper, interpretado pelo ator David Harbour, estaria vivinho da Silva quando “Stranger Things” retornasse para sua quarta temporada, mas pelo que parece, esse não seria apenas o único segredo envolvendo o xerife de Hawkins para a nova temporada.

Em março na Liverpool Comic Con, Harbour disse que os fãs aprenderão algo maciço sobre Hopper quando o personagem e o série voltarem.

Quando questionado sobre um episódio da segunda temporada, onde Eleven encontra caixas no sótão de Hopper com as palavras “Dad”, “Vietnam” e “New York”, Harbor disse: “Então, existem três coisas que estabelecemos na temporada que, se não quitarmos, isso significa que eles são maus escritores. E os irmãos Duffer são bons escritores. Então, eu sei especificamente que na quarta temporada, daremos uma grande e enorme revelação sobre a história por dentro de Hopper.”

A atuação de Harbour como Hopper lhe rendeu duas indicações ao Primetime Emmy Award de Melhor Ator Coadjuvante de Drama de Televisão. As três primeiras temporadas de “Stranger Things” estão disponíveis na Netflix, já a nova temporada presumivelmente estreará em algum momento no final de 2021.

Fonte: https://www.indiewire.com/2020/05/david-harbour-hopper-stranger-things-4-backstory-1202229296/

Categorias
Conteúdo

O Americano vivo

É fato que o desfecho da terceira temporada de Stranger Things deixou a esmagadora maioria dos fãs desolados. Tamanha tristeza deve-se ao fato do xerife Jim Hopper (David Harbour) estar ao lado da máquina russa que abre o portal para o Upside Down, exatamente no momento de sua explosão. 

O público ficou à mercê de uma despedida para lá de emocionante, por meio de um discurso que Hopper escreveu para Eleven (Millie Bobby Brown), porém nunca teve a chance de fazê-lo. Todavia, será que esse foi mesmo o último caso investigado pelo xerife? Algumas pontas soltas indicam que há, sim, chance de ele estar vivo. 

Primeiramente, para bom entendedor meia palavra basta: se não há corpo, pode não ter havido morte. A última sequência de Hopper em cena, se passa ao final de uma luta corpo a corpo com Grigori – russo a lá Exterminador do Futuro – onde ele permanece ao lado da máquina; Jim volta seu olhar pra Joyce Byers (Winona Ryder), que está na sala de comando, e faz um breve aceno emocionado, dando carta branca para que ela gire as chaves e mande a máquina pelos ares – estando ciente que sua morte se dará no processo. É presumível que, a seguir, o querido personagem estará morto. Será? Joyce fecha os olhos no momento da explosão, então ninguém vê, de fato, a morte. Ao contrário, a cena foca em um grupo de soldados soviéticos sendo desintegrados. Os restos mortais  de Hopper nunca são mostrados. Por que focar em soviéticos ao invés de em um personagem tão importante que está prestes a se despedir da série?

Eis que, para massacrar um pouco mais o público, uma versão sensacional de “Heroes”, de David Bowie, foi escolhida para embalar a despedida de Hopper. Ocorre que não é a primeira vez que se ouve essa música na série. No quarto episódio da primeira temporada, entitulado “The Body”, quando todos acreditavam que Will Byers estava morto e seu suposto corpo fora encontrado no lago, a mesma canção vibrou no fundo da sequência. Porém, Will Byers nunca esteve morto. Seria mera coincidência?

Ao final da terceira temporada de Stranger Things, há uma cena pós-créditos. A mesma se passa em uma base militar em Kamchatka, na Rússia. Os dois soldados que surgem travam um diálogo significativo, quando passam por uma cela e um deles alerta: “não, não o americano”. Em seguida um outro prisioneiro é levado pra virar lanche de Demogorgon (sim!). Por mais céticos que sejamos, fica complicado crer que trata-se de um americano qualquer. O que leva o público a imaginar que Hopper tenha conseguido se atirar para longe dos raios da explosão, e tenha sido capturado pelos soviéticos. Ou ainda que a destruição da máquina não tenha sido tão catastrófica quanto a que é mostrada no primeiro episódio da temporada. 

Outra coisa interessante é o relacionamento de Jim Hopper e Joyce Byers. Obviamente que não se trata de uma evidência para que o personagem não tenha morrido, mas a pedidos dos fãs, faria sentido que ele não estivesse morto por essa razão. A trama passou três temporadas desenvolvendo o interesse amoroso entre eles. A química entre os dois na terceira temporada foi inegável – Murray que o diga! – e parece um tanto quanto injusto que os espectadores não presenciem nenhum beijo entre eles. Mais injusto ainda com Joyce, que parece não ter a menor sorte no amor. 

Por fim, vamos combinar que essa coisa de “ressuscitar” personagens do mundo dos mortos é bastante comum em série de televisão, vide “The Walking Dead” e “Game of Thrones”.

Vamos analisar o outro lado da moeda…

Agora, para os céticos dê plantão, vamos analisar rapidamente como seria fácil manter Hopper morto? Primeiramente, ele teve um final que fez jus ao personagem, heróico; Ele deixou uma despedida, ainda que indiretamente, para a filha adotiva, Eleven; O coração dele estava em paz, uma vez que Joyce demonstrou sentir o mesmo por ele, o que a mantinha longe era o medo pelas perdas que já teve; E Hopper se sujou a beça com a prefeitura. A série está se encaminhando para o desfecho. Os irmãos Duffer já avisaram que não passaria de cinco temporadas, então não seria um crime que Hopper tenha ganhado seu descanso. 

E quanto a cena pós-créditos? Como poderia não ser Hopper? É fácil! Poderia ser qualquer americano envolvido nos planos Russos, ou qualquer um que sabia demais. Veja bem, havia uma base militar Russa em Indiana, Hawkins, nos Estados Unidos da América! E os irmãos Duffer poderiam muito bem ter criado essa cena para analisar a recepção do público, tanto positivamente quanto negativamente, quanto ao desfecho de Hopper. Isto é, poderia ser uma cena totalmente coringa. 

Será que, afinal, teremos ou não Jim Hopper vivo na reta final de Stranger Things?

Categorias
Notícias

Filha do xerife Jim Hopper pode esconder muito mais segredos do que imaginamos

*CUIDADO CONTÉM SPOILERS*

Em conversa com o fãs no Reddit, o ator David Harbour, que interpreta o xerife Jim Hopper em Stranger Things foi questionado sobre o verdadeiro motivo da morte de sua filha na série.

“Sim, eu sei. Mas é um segredo que pode ser revelado na segunda temporada. Então, eu não quero falar sobre isso agora”, respondeu Harbour.

Abaixo separamos algumas teorias sobre esse possível segredo.

Seria Sarah Hopper (Elle Graham) uma garota com poderes psicocinéticos (telepata), da mesma forma que a Eleven (Millie Bobby Brown)?

Enquanto Jim e Joyce (Winona Ryder) estavam no Mundo Invertido para resgatar Will (Noah Schnapp), o xerife acaba tendo um flashback, após encontrar um ursinho de pelúcia semelhante ao de Sarah, nessa lembrança ele aparece brincando com sua filha até que a mesma começa a agir de maneira totalmente estranha, olhando freneticamente para alguma coisa, antes de ficar doente. O que será que ela viu a ponto de ficar tão assustada?

Em outras teorias, os fãs suspeitam que Sarah não morreu de câncer, e que a verdadeira doença pode ter sido causada por algum experimento feito enquanto ela estava no Laboratório Nacional de Hawkins.

Essas e mais respostas só teremos com a estreia da segunda temporada, que está marcada para acontecer no dia 27 de outubro na Netflix.

Categorias
Teorias

Os Mistérios de Jim Hopper

No enredo de ‘Stranger Things’, o delegado de polícia Jim Hopper vivia claramente atormentado pelas lembranças de sua filha, aparentemente falecida. O contexto induz o telespectador a crer que Sarah Hopper teria morrido de câncer, principalmente a julgar pelo visual debilitado de quem parece estar em tratamento de quimioterapia. Contudo, houve confirmação? Em momento algum isso sequer foi citado pelos personagens.

Hopper apresenta prováveis sinais de dissociação ou negação, ao falar de Sarah, ele sempre a menciona no tempo presente, como se estivesse viva. Logo no primeiro episódio, quando uma equipe se une para sair em busca de Will Byers pela ‘Floresta das Trevas’,  Hopper em conversa com o professor Scott – que dá aulas de ciências para Mike, Lucas, Will e Dustin – fala pela primeira vez a respeito de sua filha e afirma que ela é extremamente inteligente, e que sabe tudo a respeito de galáxias e outros universos, mas que ele não sabe onde ela aprendeu tudo isso. Em seguida, quando questionado pelo professor em que série ela está, Hopper desconversa e afirma que ela mora com a mãe.

No quarto episódio, Hopper investiga o responsável por encontrar o corpo – falso – de Will Byers no lago, em um bar. Quando começam a dialogar, o delegado diz:
“Estou comemorando. Minha filha ganhou o campeonato de soletração. Odontalgia, nome chique para dor de dente. Ela é esperta, muito esperta. Não sei a quem ela puxou, tento descobrir isso há anos”
Quando questionado a respeito do nome da menina, Jim se mostra completamente confuso, ‘Que?’ ele responde. Ao ser novamente questionado, Jim parece recobrar a consciência e uma expressão amarga toma conta de seu rosto: “Sarah, o nome dela é Sarah”.

No quinto episódio, completamente imerso no caso de Will ao mesmo tempo em que se mantém assombrado pelo próprio passado, Jim Hopper liga para a ex-mulher e afirma que mesmo após tudo que houve, ele não se arrepende de nada “daqueles sete anos”. Enquanto isso, do outro lado da linha, a ex-esposa parece estar acalmando uma criança, fazendo ‘sh, sh, sh’. A mulher pergunta ainda se ele andou bebendo novamente, o que indicaria o provável motivo da separação do casal, após um desfecho trágico para a filha, Jim teria se afundado em bebidas alcoólicas. Por alguma razão, já que ele não estava bebendo no episódio – e nem aparece bêbado após pegar o caso de Will – ele afirmou que estava sim bebendo, talvez por se lembrar que a ex-mulher reconstruiu a vida, ou por respeito a algum conflito que tiveram após os traumas do passado.

No sexto episódio, Joyce Byers tem um momento de desespero profundo em que praticamente entrega os pontos, Hopper assegura que estão mais perto que nunca de encontrar Will, e em seguida diz: “Você sabe o que eu daria por uma chance”?

Pouco tempo após o lançamento da série, o ator David Harbour que da vida ao delegado de polícia de Hawkins, utilizou a rede Reddit para falar um pouquinho a respeito de Stranger Things com os fãs. Quando questionado a respeito do que exatamente teria ocasionado a morte de Sarah, Harbour respondeu:
“Sim, eu sei a causa. Mas é sigiloso e poderá ser explorado na próxima temporada. Então não falarei a respeito”.

No oitavo e último episódio da temporada de Stranger Things, Joyce e Jim são detidos pelos agentes que protegem o Laboratório Nacional de Hawkins. Uma máquina de choque é utilizada para tentar obrigar o delegado a falar o que ele sabe a respeito dos experimentos que ocorrem no local e ele responde:
“Me desculpe, eu gaguejei? Eu já disse, sei de tudo! Sei que vocês fazem experiências em criancinhas sequestradas cujos pais estão destroçados. Vocês foram longe demais, cometeram um grande erro […]”.

Observe que ele fala no plural, “cujos pais estão destroçados”, sendo que apenas Terry Ives, a mãe de Eleven surge destroçada pela perda da filha, com exceção dele próprio.

Ainda no oitavo episódio, Hopper e Joyce adentram o portal que leva ao Mundo Invertido, lá ele encontra um ursinho de pelúcia que se assemelha demasiadamente com o de Sarah, o que o faz ter um flashback, onde ele estava brincando com a filha até que a mesma começou a agir de maneira totalmente estranha e seu olhar parecia assustado e frenético.

Chegando ao fim do episódio, quando finalmente Will é encontrado pela mãe e pelo delegado, o garoto, completamente debilitado sequer estava respirando. Hopper então inicia uma massagem cardíaca no menino, enquanto suas lembranças se mesclam com a atual situação. Sarah é vista com uma equipe ‘médica’, que tenta salvar sua vida, e o aparelho que conta sua frequência cardíaca vai a zero, sinalizando o óbito da menina. Enquanto isso no Mundo Invertido, Jim sem sucesso com o procedimento e provavelmente desesperado pela recordação, soca o peito de Will ao mesmo tempo em que o “beep” contínuo do aparelho de sua filha é ouvido. Will em pouco tempo recupera o fôlego e sutilmente dois “beep beep” podem ser percebidos ao fundo, o que insinua que talvez a morte de Sarah não tenha ocorrido naquele momento, já que seus batimentos cardíacos teriam voltado.

Uma forte teoria aponta que Sarah também seria uma telepata e “telecinética”, da mesma forma que Eleven. A reação de Sarah, na lembrança supracitada, é quase um reflexo da reação de Will quando está no banheiro cuspindo ‘lesma-demogorgon’ e uma espécie de “bug temporal” traz o Mundo Invertido por alguns instantes.  Será que Sarah podia ver o Mundo Invertido? O Demogorgon? A morte da garota poderia ter sido causada por sequelas de seus poderes ou contaminação da realidade alternativa. O que explicaria a aptidão da menina com relação a outros universos.

Outras especulações supõem que Sarah Hopper também teria sido objeto de experimento, seja ele qual for, no Laboratório Nacional de Hawkins, contudo, obviamente deu muito errado, ocasionando a morte da menina. Ou ainda, que a pequena sofria de alguma enfermidade totalmente desconhecida e que sua cura poderia, de alguma forma, ser encontrada no Mundo Invertido. Entretanto, a primeira das hipóteses soa muito mais plausível.

Afinal, o que a morte de Sarah Hopper e o passado de seu pai escondem em Stranger Things?