1 – Nostalgia + Originalidade: eles conseguiram criar uma história nova em cima de uma mistura deliciosa de referências, reunindo tudo de fantástico que houve no cinema daquela época; De Spielberg e seus clássicos (como E.T. – O Extraterrestre e Poltergeist), ao filme Conta Comigo, baseado numa história de Stephen King (e, aliás, Stranger Things poderia perfeitamente ter saído da cabeça do escritor – e mais alguém também achou que a Eleven tem um quê de Carrie, A Estranha?); passando por The Goonies, permeando a trama com terror e o sobrenatural que aparecem em diferentes graus de intensidade, como em muito dos filmes da franquia A Hora do Pesadelo (aquela do Freddie Krueger) e de Alien, o oitavo Passageiro. Sem falar que o núcleo adolescente tem muito dos filmes teens daquela década comandados por John Hughes, como Clube dos Cinco, por exemplo; mas, para além destas e de várias outras referências, eles fizeram uma trama genuína, sem imitar ninguém, fazendo com que você se identificasse e torcesse por cada personagem, criando uma identidade única para a série.

2 – Winona Ryder: ela é um ícone vivo dos anos 80/90, tendo sido uma das jovens estrelas mais prestigiadas e requisitadas de Hollywood nesta época. Ainda bem novinha, Winona fez filmes que hoje com certeza são clássicos: Os Fantasmas se divertem, Edward, mãos de tesoura e Drácula de Bram Stoker. Tudo bem que no início dos anos 2000 ela tenha dado uma derrapada, mas agora ela voltou com tudo, mostrando uma carga dramática visceral como Joyce Byers.

stranger_things_jovens3 – Um elenco jovem talentoso e personagens carismáticos: Os jovens Nancy (Natalia Dyer), Jonathan (Charlie Heaton) e Steve ( Joe Kerry), à primeira vista, pareciam que iam viver um triângulo amoroso previsível, mas eventos aterrorizantes fazem com que os três tomem atitudes drásticas e se unam, entregando algumas das melhores sequências de ação da história. Ao mesmo tempo que são estereótipos, eles amadurecem e se reformulam.
Já as crianças são o motor da série, com interpretações seguras e maravilhosas. Destacam-se Millie Bobbie Brown, que, com apenas 12 anos e quase sem falar, vive com uma expressividade espantosa Eleven, a menina misteriosa de cabeça raspada, dona de poderes telecinéticos que a colocariam fácil na turma dos X-Men. Ela é abrigada por Mike Wheeler, vivido por Finn Wolfhard, que sabe dosar bem a doçura do personagem que está descobrindo o primeiro amor com a liderança do grupo.
stranger_things_jovens2Já Dustin parece muito com dois personagens hilários de Os Goonies: Bocão e Gordo. Vivido pelo fofíssimo além do conta Gaten Matarazzo, quem não caiu de amores por este banguela? Sem falar que os melhores quotes da série são dele ( “É melhor vocês correrem, ela é nossa amiga, e ela é louca!”)

4 – Trilha sonora matadora:  Não dá mais para escutar “Should I Stay Or Should I Go” do The Clash da mesma forma! A série também traz clássicos pop como Africa, do  Toto, uma versão da boweniana Heroes na voz de Peter Gabriel, Waiting For a Girl Like You, do Foreigner, por exemplo, fora aqueles sons etéreos criados com teclados bem típicos dos 80’s, como os que tinham nos filmes de terror de John Carpenter.