Will Byers (Noah Schnapp) foi pego por um monstro em Stranger Things e passou uma semana em uma dimensão paralela, que seus amigos denominaram de “mundo invertido” (Upside Down), por analogia da situação com o jogo Dungeons & Dragons, no qual eles disputavam longas partidas.

Algumas pistas no final da primeira temporada fazem a gente crer que Eleven (Millie Bobby Brown) também possa estar lá (por favor, El, esteja viva!), e este é um recurso recorrente em várias obras do cinema: crianças que vão parar em outras dimensões e lá vivem aventuras, que podem ser aterrorizantes ou edificantes.

Talvez o primeiro filme em que isso ocorreu foi O Mágico De Oz, de 1939.Baseado no livro de L.Frank Baum, a menina Dorothy é levada por um tornado no Kansas para um lugar mágico, cheio de seres especiais e bruxas boas e más.

Em obras mais recentes, como O Labirinto do Fauno, de 2006, o encontro com a outra dimensão se dá quando a garota Ophelia encontra um labirinto perto da casa onde fora morar. Uma criatura mágica, o fauno, a estimula a realizar três tarefas surreais que a levariam de volta ao seu reino no submundo, do qual ela seria a princesa perdida.

No filme de nome quase igual, Labirinto, de 1986, o músico David Bowie deu vida ao rei dos goblins, que “rouba” o irmão caçula de Sarah (Jennifer Connely) e ela, para trazê-lo de volta, precisa passar pelo tal lugar e vencer os desafios dentro  algumas horas.

A animação Coraline (2009) baseada na obra de Neil Gaiman, traz um conceito de “mundo invertido” um pouco parecido com o de Stranger Things, afinal de contas, a garota tem acesso a uma outra versão da realidade em que vive, só que lá aparentemente é melhor.

Em Jumanji (1995), também baseado em um livro homônimo, um garoto, Alan Parrish, por causa de uma rodada no jogo de tabuleiro que dá nome ao filme passa 26 anos em uma selva (que é praticamente um mundo paralelo) até que a partida possa continuar.

Filmes baseados em clássicos da literatura também entram na lista, como As Crônicas De Nárnia, Peter Pan e Alice no País das Maravilhas. Portanto, levar as crianças para dar uma “voltinha” em outra dimensão, mundo invertido ou realidade paralela é mais uma forma de Stranger Things ser única homenageando as melhores produções.