Categorias
Teorias

Stranger Things estaria preparando os fãs para morte de personagem?

É fato que Stranger Things 3 abalou o coração do público das mais diversas formas, no entanto, despedir-se de personagens queridos sempre é a maior razão dos corações partidos – Barb, Bob e Jim Hopper sabem bem disso! E para a desolação dos fãs, existem indícios de que uma outra morte dolorosa pode estar a caminho e o alvo seria ninguém menos que: Steve Harrington (Joe Keery).

O crescimento do personagem ao longo da série é inegável. Para quem não se recorda, Steve era um valentão popular na primeira temporada, e também namorado de Nancy Wheeler (Natalia Dyer). O garoto começa a se redimir bem no finalzinho da primeira temporada, e conquista os espectadores de vez com sua total mudança de postura no segundo ano de Stranger Things. Sem contar que, durante a segunda temporada, Steve se torna muito amigo de Dustin Henderson (Gaten Matarazzo) e, além de babá, protetor e amigo, o rapaz se torna um mentor para que Dustin conquiste as garotas.

Já na terceira temporada, Steve é um personagem extremamente carismático e amado. Seu arco com a nova personagem Robin – vivida por Maya Hawke – foi um dos maiores sucessos da nova fase. Porém, eis que entramos num beco sem saída para o ex-galã do colegial. Ao sair da escola, Steve simplesmente parece ter perdido o jeito com as garotas e não pode mais contar com sua popularidade. O fim do relacionamento com Nancy parece ter abalado as estruturas do rapaz e, em uma tentativa um tanto quanto fracassada – porém outro acerto da temporada – de conquistar Robin, deixam Steve sem qualquer perspectiva de interesse amoroso.

Logo no início dos episódios, é revelado que Harrington não conseguiu entrar para nenhuma universidade, e mais, não teria nota suficiente para cursar nenhum curso técnico local também. Trabalhando no Scoops Ahoy, obrigado por seu pai, Harrington parece não ter qualquer visão de futuro fora de Hawkins.

Recapitulando brevemente…

Quando os irmãos Matt e Ross Duffer, criadores de Stranger Things, roteirizaram a série, quem morria no lugar de Barb (a amiga nerd de Nancy que é capturada pelo Demogorgon na primeira temporada) era Steve, tanto que a cena de ataque se passa na piscina da residência Harrignton. Todavia, quando Joe Keery conseguiu o papel e as gravações tiveram início, os showrunners mudaram todo o roteiro por acharem Keery extremamente empático e carismático, dando outra vida ao personagem.

Mas e se a morte de Steve nunca saiu por completo dos planos dos Duffer para a série? E se foi apenas adiada para que o personagem tivesse uma morte honrosa que fosse sentida pelos espectadores? Afinal de contas, a única coisa que parece restar ao personagem é o “bromance” com Dustin.

Note que, até para conseguir um emprego após o declínio do Starcourt, Steve dependeu do jogo de cintura de Robin. Então, a falta de possibilidades para o personagem está realmente crítica, ao mesmo tempo que sua popularidade para com o público segue crescendo ao melhor estilo “ao infinito e além”. É nítido o amadurecimento do personagem como pessoa, mas infelizmente foi tardio.

Agora imagine que Harrington, por não ter nada a perder, se sacrificaria pelo bem de seus amigos em dado – e grandioso – momento, e morreria como herói bem na reta final do seriado. Não soa como uma “receita de bolo” perfeita para mexer com as emoções do público? Reflita!

Categorias
Conteúdo

Stranger Things 3 e a abordagem sobre homossexualidade

A terceira temporada de Stranger Things foi, sem dúvidas, a mais intensa da série, até o momento. A trama está tomando um rumo mais maduro e, com isto, abordando temas mais “delicados” como, por exemplo, a descoberta da orientação sexual.

É bastante normal que, a cada nova temporada, haja também a inserção de novos personagens. Um dos maiores destaques dos episódios recém-lançados foi a personagem Robin (Maya Hawke). Logo de cara, Robin conquistou os fãs por sua personalidade, em seguida por sua amizade com Steve Harrington (Joe Keery), e por fim, pela revelação de ser – a primeiríssima personagem – assumidamente homossexual do seriado.  

Para quem não se recorda, ainda que seja difícil, Robin trabalha com Steve na sorveteria Scoops Ahoy, localizada no Shopping Starcourt. Ela é responsável por ótimas cenas de alívio cômico, enquanto tira sarro das tentativas frustradas de Steve de conquistar as clientes do estabelecimento. Estas cenas, somadas às aventuras que a dupla tem infiltrados dentro da base militar Russa, leva o espectador a crer – erroneamente – que Robin tem um interesse amoroso no amigo. Dustin, que, também protagoniza ótimas cenas com a dupla, ao lado de Erica Sinclair (Priah Ferguson) – irmã mais nova de Lucas (Caleb McLaughlin), reforça que os dois formariam o casal perfeito.  

A revelação…

Ao se infiltrarem no esconderijo Russo, Steve, Robin, Dustin e Erica se metem em uma tremenda enrascada, assim o grupo acaba de separando e os dois mais velhos são capturados. Neste ponto, Steve e Robin se aproximam bastante e chegam a encarar uma pseudo sessão de tortura, com direito a injeção de “soro da verdade”. A garota acaba por confessar que foi obcecada por ele no ensino médio, uma vez que as garotas gostavam demais dele.

Posteriormente, ao conseguirem escapar, Steve se declara à Robin, e admite ter superado sua paixão por Nancy Wheeler. Robin, surpreende-se e revela que admirava Steve não por gostar dele, mas porque queria ser ele — ela gostava da garota que, por sua vez, gostava de Steve.

Obviamente, a cena supracitada tem um tom de tensão que, por sinal, a série desenvolveu extremamente bem. Steve lida de forma suave com o que ouve e acaba zoando a voz do interesse amoroso da amiga (Tammy Thompson), ao mesmo tempo em que deixa claro que Robin merece alguém melhor. Isso não só traduz o quanto ele se importa com a amizade criada, como evidencia o amadurecimento de Steve.

Não para por ai!

Ao que tudo indica, a nova personagem de Stranger Things não foi a única a ter sua orientação sexual questionada na série. De acordo com uma ponta solta na série, marcada por um diálogo, Will Byers pode ser gay.

Em uma cena específica da terceira temporada, Mike (Finn Wolfhard) e Will (Noah Schnapp) tem uma discussão, após o filho de Joyce (Winona Ryder) jogar na cara do amigo que ninguém mais tem tempo para ele, só ligam para suas novas namoradas.

Não é minha culpa que você não gosta de garotas!”, diz Mike no ponto alto da briga. Mike se desculpa imediatamente, enquanto Will mostra-se extremamente magoado. A sequência foi interpretada por boa parte dos fãs como uma referência à possível homossexualidade de Will.

Em recente entrevista cedida ao The Wrap, Noah Schnapp explicou que a questão estaria realmente aberta a interpretações.

Enquanto todos os personagens estavam se desenvolvendo e crescendo, Will estava no Mundo Invertido, sozinho, sem interagir ou se conectar com seus amigos e com o resto do mundo. Quando ele volta, ele espera que tudo volte a ser como era antes, quando ele era uma criança normal. Ele só queria voltar ao porão para jogar D&D. Quando você ouve Mike dizer aquela frase, fica realmente aberto à interpretação do público. Eu apenas interpretei como se ele não estivesse pronto para crescer e não quisesse seguir em frente ainda para ter relacionamentos. Ele ainda quer ser uma criança e brincar no porão, como nos velhos tempos“, declarou Schnapp.

Afinal, será que Will Byers é homossexual ou apenas não está pronto para abandonar a infância?

Categorias
Conteúdo

O Americano vivo

É fato que o desfecho da terceira temporada de Stranger Things deixou a esmagadora maioria dos fãs desolados. Tamanha tristeza deve-se ao fato do xerife Jim Hopper (David Harbour) estar ao lado da máquina russa que abre o portal para o Upside Down, exatamente no momento de sua explosão. 

O público ficou à mercê de uma despedida para lá de emocionante, por meio de um discurso que Hopper escreveu para Eleven (Millie Bobby Brown), porém nunca teve a chance de fazê-lo. Todavia, será que esse foi mesmo o último caso investigado pelo xerife? Algumas pontas soltas indicam que há, sim, chance de ele estar vivo. 

Primeiramente, para bom entendedor meia palavra basta: se não há corpo, pode não ter havido morte. A última sequência de Hopper em cena, se passa ao final de uma luta corpo a corpo com Grigori – russo a lá Exterminador do Futuro – onde ele permanece ao lado da máquina; Jim volta seu olhar pra Joyce Byers (Winona Ryder), que está na sala de comando, e faz um breve aceno emocionado, dando carta branca para que ela gire as chaves e mande a máquina pelos ares – estando ciente que sua morte se dará no processo. É presumível que, a seguir, o querido personagem estará morto. Será? Joyce fecha os olhos no momento da explosão, então ninguém vê, de fato, a morte. Ao contrário, a cena foca em um grupo de soldados soviéticos sendo desintegrados. Os restos mortais  de Hopper nunca são mostrados. Por que focar em soviéticos ao invés de em um personagem tão importante que está prestes a se despedir da série?

Eis que, para massacrar um pouco mais o público, uma versão sensacional de “Heroes”, de David Bowie, foi escolhida para embalar a despedida de Hopper. Ocorre que não é a primeira vez que se ouve essa música na série. No quarto episódio da primeira temporada, entitulado “The Body”, quando todos acreditavam que Will Byers estava morto e seu suposto corpo fora encontrado no lago, a mesma canção vibrou no fundo da sequência. Porém, Will Byers nunca esteve morto. Seria mera coincidência?

Ao final da terceira temporada de Stranger Things, há uma cena pós-créditos. A mesma se passa em uma base militar em Kamchatka, na Rússia. Os dois soldados que surgem travam um diálogo significativo, quando passam por uma cela e um deles alerta: “não, não o americano”. Em seguida um outro prisioneiro é levado pra virar lanche de Demogorgon (sim!). Por mais céticos que sejamos, fica complicado crer que trata-se de um americano qualquer. O que leva o público a imaginar que Hopper tenha conseguido se atirar para longe dos raios da explosão, e tenha sido capturado pelos soviéticos. Ou ainda que a destruição da máquina não tenha sido tão catastrófica quanto a que é mostrada no primeiro episódio da temporada. 

Outra coisa interessante é o relacionamento de Jim Hopper e Joyce Byers. Obviamente que não se trata de uma evidência para que o personagem não tenha morrido, mas a pedidos dos fãs, faria sentido que ele não estivesse morto por essa razão. A trama passou três temporadas desenvolvendo o interesse amoroso entre eles. A química entre os dois na terceira temporada foi inegável – Murray que o diga! – e parece um tanto quanto injusto que os espectadores não presenciem nenhum beijo entre eles. Mais injusto ainda com Joyce, que parece não ter a menor sorte no amor. 

Por fim, vamos combinar que essa coisa de “ressuscitar” personagens do mundo dos mortos é bastante comum em série de televisão, vide “The Walking Dead” e “Game of Thrones”.

Vamos analisar o outro lado da moeda…

Agora, para os céticos dê plantão, vamos analisar rapidamente como seria fácil manter Hopper morto? Primeiramente, ele teve um final que fez jus ao personagem, heróico; Ele deixou uma despedida, ainda que indiretamente, para a filha adotiva, Eleven; O coração dele estava em paz, uma vez que Joyce demonstrou sentir o mesmo por ele, o que a mantinha longe era o medo pelas perdas que já teve; E Hopper se sujou a beça com a prefeitura. A série está se encaminhando para o desfecho. Os irmãos Duffer já avisaram que não passaria de cinco temporadas, então não seria um crime que Hopper tenha ganhado seu descanso. 

E quanto a cena pós-créditos? Como poderia não ser Hopper? É fácil! Poderia ser qualquer americano envolvido nos planos Russos, ou qualquer um que sabia demais. Veja bem, havia uma base militar Russa em Indiana, Hawkins, nos Estados Unidos da América! E os irmãos Duffer poderiam muito bem ter criado essa cena para analisar a recepção do público, tanto positivamente quanto negativamente, quanto ao desfecho de Hopper. Isto é, poderia ser uma cena totalmente coringa. 

Será que, afinal, teremos ou não Jim Hopper vivo na reta final de Stranger Things?

Categorias
Conteúdo

Stranger Things 3 vive puberdade de forma fascinante

A terceira temporada de Stranger Things foi lançada na última quinta-feira, 4 de julho, e o hype da série é inegável. Mais um ano impecável entregue pelos irmãos Duffer, que, diferentemente dos dois anteriores, aborda um monstro muito mais assustador que o Demogorgon: o crescimento.

De cara a série possui uma mudança climática no cenário, em vista de que, pela primeira vez o público pode ver Hawkins em pleno verão. O que quer dizer que é época de férias, piscina, shopping, filmes, namoro e muito mais. Eis que o grupo, anteriormente visto como crianças, já não podem mais ser chamadas assim. Agora, Mike Wheeler (Finn Wolfhard), Lucas Sinclair (Caleb McLaughlin), Dustin Henderson (Gaten Matarazzo), Eleven (Millie Bobby Brown), Will Byers (Noah Schnapp) e Max (Sadie Sink) são adolescentes! 

Pela primeira vez, desde que a garotinha com poderes telepáticos e telecinéticos fugiu do laboratório e criou laços com Mike e seus amigos, os espectadores poderão ver Eleven adquirindo confiança para ser quem é. Na primeira temporada, Mike escolhe roupas para Eleven; Na segunda, Hopper assume essa missão. Na terceira, Eleven e Max vão ao shopping, fortalecendo a amizade mais fofa (e necessária) do novo ano, escolhem roupas, experimentam acessórios, tiram fotos, e o melhor de tudo: ao som de “Material Girl”, da Madonna.

Mas vale salientar que as mudanças não se limitam às vestimentas dos personagens. Desafios bastante comuns na vida dos adolescentes surgem neste momento, como por exemplo: o primeiro amor. Max e Eleven têm namorados – Lucas e Mike, respectivamente – e tanto elas, quanto os meninos precisam a lidar com as dificuldades de ter um relacionamento. Principalmente quando se é imaturo e está em uma fase de tantas mudanças e descobertas. 

Quanto aos adolescentes, Steve Harrington (Joe Keery), Nancy Wheeler (Natalia Dyer) e Jonathan Byers (Charlie Heaton), a mudança é ainda maior, pois a escola está ficando para trás e as responsabilidades da vida adulta começam a bater à porta. 

Em uma entrevista recente cedida ao jornal “O Globo”, Joe Keery deu sua opinião geral a respeito dos novos episódios: 

“A gente retrata aquele momento em que o colégio acaba, e você percebe que a merda vai bater no ventilador, porque a vida de verdade está começando.

Um dos maiores trunfos dos novos episódios é o desenvolvimento da própria trama, que toca em assuntos atuais. Uma das questões abordadas é a diferença de tratamento entre homens e mulheres no ambiente de trabalho. Mesmo quando não é explícito, o tom feminista está por toda parte”, expôs Keery.

E não pense que as mudanças relacionadas ao crescimento afetam somente os jovens. Jim Hopper, como pai adotivo de Eleven, passa uns maus bocados tentando proteger a filha da vida adulta; nervoso com seu namoro com Mike; e com ciúmes por não enxergar mais tanto espaço para ele na vida dela. E pode-se dizer que, mesmo do jeito irritadiço dele, ele é um excelente pai. 

A nova fase da série é linda, tocante, pontual, e muito emocionante. A puberdade é abordada da forma mais fofa possível, e claro, com aquela dose de humor que só Stranger Things tem. Mas, vale citar, os mistérios sobrenaturais seguem de forma impecável na trama.

Categorias
Notícias

Podemos te preparar para Stranger Things 3?

É inegável que os anos 80 foram marcados como um dos períodos mais fundamentais e épicos da cultura POP. As músicas, filmes, livros, roupas, cores neon, os penteados extravagantes e afins, trazem uma originalidade ímpar. E, mais uma vez a Netflix apodera-se com maestria de toda a essência da época, e presenteia o público a melhor temporada de Stranger Things.

É verdade que o Megazord dos serviços de streaming deixou o público a mercê no ano de 2018, com pouquíssimos detalhes e notícias sobre o que viria por aí. No entanto, no momento em que o lançamento da terceira temporada da série ocorreu, o ritmo foi seguido de forma tão pontual que a sensação foi como se nunca tivesse havido tamanha espera. Então, Hawkins está de volta, sendo palco de uma sucessão de eventos macabros e alucinantes, além de novas ameaças e personagens. Obviamente, os irmãos Duffer sabem exatamente onde querem chegar, e o coração dos fãs que aguente! Stranger Things 3 é, de longe, a mais insana, sangrenta, intrincada e obscura de todas as temporadas.

Algo que os irmãos Duffer prezam, é o realismo e autenticidade das cenas, evitando, tanto quanto podem, a utilização de computação gráfica. Mas isso todos já sabem, não é mesmo? Todavia, a dupla parece se superar desta vez, trazendo um cuidado redobrado com cada detalhe, fazendo até uma cena de vômito ser excessivamente bem construída. E quanto a união do suspense, sci-fi, thriller, pitadas de humor e sinestesia do terror? Um equilíbrio invejável!

Os novos episódios se assemelham a uma jukebox visual, apresentando uma trilha sonora nitidamente escolhida a dedo, como “Wake Me Up Before You Go-Go” da banda Wham!, e “Material Girl” da Madonna, abarrotadas de simbolismo para proporcionar ao espectador a sensação necessária para cada instante da produção, ajudando a desenvolver o enredo de forma bastante envolvente.

Por falar em enredo, aqui há uma passagem temporal de um ano após o sufoco que os personagens passaram com o Devorador de Mentes. Agora, Mike Wheeler (Finn Wolfhard), Lucas Sinclair (Caleb McLaughlin), Dustin Henderson (Gaten Matarazzo), Eleven (Millie Bobby Brown), Will Byers (Noah Schnapp) e Max (Sadie Sink), oficialmente deixam a infância de lado e mergulham na adolescência – ainda que haja alguma resistência aqui ou ali para encarar o “monstro do crescimento”. A turma está curtindo um caloroso e divertido verão, lidando somente com as peripécias da puberdade e os atritos ligados aos relacionamentos. Ao mesmo tempo, nas sombras, uma parte do Devorador de Mentes desperta e inicia um plano para vingar-se de Eleven e permanecer em Hawkins, abduzindo pessoas. Vale pontuar essa construção em dias partes porque é exatamente como a narrativa se desenvolve, diferentemente dos anos anteriores, existe uma estabilidade e harmonia entre o foco nos personagens e os perigos provenientes do Upside Down.

Sem deixar qualquer lacuna no roteiro, a história consegue desenvolver com perfeição três arcos distintos e ainda ligá-los de forma extremamente precisa. Além das emoções garantidas, o 3º ano conta com cliffhangers interessantíssimos e uma cena pós-créditos de arrepiar.

Uma dica: você que ainda não se jogou na maratona de Stranger Things 3, prepare uma caixa de lencinhos. Com um desfecho para lá de bombástico a série se reafirma como um dos melhores programas contemporâneos. E para deixar o público em posição fetal, uma releitura de “Heroes”, de David Bowie, encerra mais uma temporada sensacional em Hawkins.

Categorias
Notícias

Charlie Heaton é deportado de volta para a Europa por posse de drogas

A segunda temporada de Stranger Things finalmente estreou na madrugada da última sexta-feira, 27 de Outubro, para a alegria do público. No entanto, um membro muito importante do elenco não conseguiu comparecer à pré-estreia dos novos episódios na última quinta-feira devido a uma situação para lá de chata!

Charlie Heaton, ator que da vida a ninguém menos que Jonathan Byers, foi detido no aeroporto internacional de Los Angeles por posse de cocaína. Dessa forma, o ator foi deportado de volta para a Europa e ficou impedido de entrar nos Estados Unidos.

“Cometer um crime envolvendo a posse de drogas ou consumo pode banir estrangeiros permanentemente do país”, afirmou o chefe do setor de mídia do departamento alfandegário dos EUA, Jaime Ruiz, em entrevista cedida ao The Hollywood Reporter.

“Os oficiais da alfândega tratam todos os viajantes internacionais com integridade, respeito e profissionalismo, mantendo os mais altos padrões de segurança”, acrescentou Ruiz, reforçando o cumprimento isento da lei.

De acordo com os responsáveis pela detenção, o ator foi deportado após ser encontrados vestígios de cocaína no mesmo, que por sinal admitiu o consumo da droga. Charlie Heaton e sua assessoria não deram quaisquer declarações até o presente momento.

Contudo, a Netflix se preocupa com o futuro da série, em vista de que todas as gravações ocorrem em território americano.

Fonte: THR

Categorias
Notícias

Personagem de Dacre Montgomery teve influências de “O Iluminado”

É claro que na segunda temporada de Stranger Things, os irmãos Duffer não deixariam de fora referências brilhantes aos anos 80. Inclusive, entre as caras novas que surgirão neste ano, está a de Billy, que será vivido por Dacre Montgomery. O personagem foi inspirado em ninguém menos que em Jack Torrance, de “O Iluminado” (Stephen King).

Em recente entrevista cedida ao ScreenRant, Montgomery revelou quais foram as influências para a composição de seu personagem:
“Billy é mais como um antagonista, sinceramente falando. Os irmãos Duffer se inspiraram na atuação de Jack Nicholson em O Iluminado. Uma pessoa totalmente instável e imprevisível. Alguém que intriga o público. Ele causa na sua cidade e ‘mete o pé’. Ele vem de fora da cidade, da Califórnia, e irrita algumas pessoas. Acho que isso o resume sem entregar muito.”

Vale lembrar que além de Dacre Montgomery, Sadie Sink também se junta ao elenco neste ano e dará vida à personagem Max, irmã de Billy – e novo amor de Dustin (Gaten Matarazzo) e Lucas (Caleb McLaughlin).
A Netflix vai disponibilizar os nove episódios inéditos da segunda temporada de Stranger Things nesta sexta, 27 de outubro.

Categorias
Notícias

Netflix anuncia after-show para quem finalizar a segunda temporada!

Netflix anuncia after-show para quem finalizar a segunda temporada!

A tão aguardada segunda temporada de Stranger Things finalmente está desembarcando na plataforma da Netflix nesta sexta-feira, 27 de outubro e, além da divulgação sensacional produzida pela companhia, a Netflix, para alegria dos fãs, anunciou que um after-show foi desenvolvido especialmente para esta continuação.
Com intuito de discutir os eventos do segundo ano, o programa focará em entrevistas exclusivas com o elenco, bem como em imagens vindas direto dos bastidores!
Com o título oficial de “Beyond Stranger Things”, o serviço de streaming disponibilizará o after-show juntamente à grande estreia da nova temporada. A novidade contará com sete capítulos especiais, com participações da equipe de produção, bem como do fabuloso elenco.

A notícia é excelente, mas a Netflix deixa o alerta: é importante deixar para conferir ‘Beyond Stranger Things’ após finalizar os nove novos episódios da segunda temporada da série, pois o risco de spoilers é altíssimo!

Fiquem atentos, Strangers!

Categorias
Notícias

Stranger Things recebe 18 indicações ao Emmy 2017!

Na última terça-feira (13), a Academia de Artes e Ciências Televisivas dos EUA, revelou a lista de indicados ao Emmy 2017 e para a alegria dos fãs – e da Netflix – Stranger Things está concorrendo a nada menos que 18 estatuetas! O seriado ficou atrás somente de “Westworld” e “Saturday Night Live”.

O Emmy é conhecido como o “Oscar da TV americana”, ou seja, os seriados, programas e atores que brilham na competição são extremamente prestigiados. E Millie Bobby Brown já brilha entre os “Strangers” por ter recebido sua primeira indicação ao Emmy, na categoria ‘Melhor Atriz Coadjuvante em Série Dramática’.

A atriz Shannon Purser, que deu vida a nossa querida Barb (Barbara Holland), foi surpreendida ao receber, também, sua primeira indicação à premiação, na categoria ‘Melhor Atriz Convidada em Série Dramática”.

A cerimônia que revelará os melhores da televisão norte-americana no período de junho de 2016 a maio de 2017 ocorrerá em 17 de setembro, com apresentação de Stephen Colbert. No Brasil, o Emmy será transmitido ao vivo pelo canal de assinatura TNT.

Confira as principais indicações de Stranger Things:

Melhor série dramática

  • “House of Cards”
  • “Better Call Saul”
  • “The Crown”
  • “The Handmaid’s Tale”
  • “This Is Us”
  • “Westworld”
  • “Stranger Things”

Melhor ator coadjuvante em série dramática

  • Jonathan Banks (“Better Call Saul”)
  • Ron Cephas Jones (“This Is Us”)
  • David Harbour (“Stranger Things”)
  • Michael Kelly (“House of Cards”)
  • John Lithgow (“The Crown”)
  • Mandy Patinkin (“Homeland”)
  • Jeffrey Wright (“Westworld”)

Melhor Atriz Coadjuvante em Série Dramática

  • Uzo Aduba (Orange Is The New Black)
  • Millie Bobby Brown (Stranger Things)
  • Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
  • Chrissy Metz (This Is Us)
  • Thandie Newton (Westworld)
  • Samira Wiley (The Handmaid’s Tale)

Melhor Atriz Convidada em Série Dramática

  • Alison Wright (The Americans)
  • Alexis Bledel (The Handmaid’s Tale)
  • Cicely Tyson (How to Get Away With Murder)
  • Ann Dowd (The Leftovers)
  • Laverne Cox (Orange Is The New Black)
  • Shannon Purser (Stranger Things)

Melhor Direção em Série Dramática

  • Vince Gilligan (Better Call Saul)
  • Stephen Daldry (The Crown)
  • Reed Morano (The Handmaid’s Tale)
  • Kate Dennis (The Handmaid’s Tale)
  • Lesli Linka Glatter (Homeland)
  • The Duffer Brothers (Stranger Things)
  • Jonathan Nolan (Westworld)

Melhor Roteiro em Série Dramática

  • Joe Weisberg & Joel Fields (The Americans)
  • Gordon Smith (Better Call Saul)
  • Peter Morgan (The Crown)
  • Bruce Miller (The Handmaid’s Tale)
  • The Duffer Brothers (Stranger Things)
  • Lisa Joy & Jonathan Nolan (Westworld)

Melhor Elenco em Série Dramática

  • The Crown
  • The Handmaid’s Tale
  • Stranger Things
  • This Is Us
  • Westworld
Categorias
Notícias

Novos Mutantes | Charlie Heaton negocia para viver Míssil

O querido Charlie Heaton, ator que dá vida a Jonathan Byers em Stranger Things está em negociações para viver o mutante Míssil, no longa-metragem ‘Novos Mutantes’ – a produção será mais sombria que os outros filmes de X-Men.

Se as negociações se concretizarem, Charlie viverá Sam Guthrie, um mutante que é capaz de impulsionar-se pelo ar como um míssil – por isso seu apelido. Além disso, o jovem consegue criar um campo impenetrável ao seu redor.

O filme da FOX contará com direção de Josh Boone e tem estreia prevista para 2018. O nomes que já completam o elenco são Maisie Williams, Anya Taylor-Joy, que interpretarão Lupina e Magia, respectivamente.

Outras negociações estão sendo feitas com Henry Zaga (13 Reasons Why) e Rosario Dawson (Demolidor) para os papéis de Mancha Solar e Dra. Cecilia Reyes.

‘Novos Mutantes’ é o terceiro filme da franquia X-Men que será lançado em 2018, em conjunto de ‘Deadpool 2’ e ‘Fênix Negra’. Já Stranger Things tem seu retorno agendado para 31 de outubro de 2017.